sábado, 25 de dezembro de 2010

SAUDADES DAQUELE MAR


Os ventos vibram vivos verdadeiros
Violam em vozerio as velas do veleiro
Velejam.

As margens, os mares, as marés,
Os murmúrios e os marinheiros mourejam
Nas manhãs de mantras com maneirismos
Há maresias.

Sendas ao sol, em salinas, em salgueiros
Suores semeiam o silêncio
Aos sobressaltos sorrateiros

Dos tempos, dos temperamentos,
Das tardes, das teimosias
...Intrépidas e tenentes.

Ah sopro dos ares
Ah surpreendentes altos-mares
Ah satânicos lugares
Ah santos cantares...

Eu quero a suavidade das serenatas
Dos condoreiros
Que a lua e as estrelas
Em noite de paz
Presenteiam-nos
Entre brisas
E palmeiras.

Ah que saudades daquele Mar!

Gigio Jr (Versos Brancos-2009)

Um comentário:

Fernanda Elisa disse...

Pai, de onde vc tira tanta inspiração para toda essa aliteração? hahahaha!

Quantas ondas de palavras brincam de maré no seu texto! Parabéns!

Beijinhos,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...